domingo, 13 de setembro de 2015

por Rodman

Em 1985 a DC estava prestes a colocar em prática o primeiro dos vários reboots pela qual a editora tentaria submeter sua cronologia nos anos seguintes, e estava se desenhando pelas mãos de Marv Wolfman George Pérez a primeira CRISE NAS INFINITAS TERRAS. Era certo que depois desse reboot toda a linha editorial da DC passaria por modificações (algumas bem profundas) e todos os personagens seriam reformulados com o fim do conceito de terras paralelas, inclusive o Superman.

Com a certeza de que aquela cronologia da ERA DE PRATA seria descontinuada, ficou à cargo de ninguém menos que Alan Moore e o desenhista veterano Curt Swancriarem aquela que seria conhecida como a última história do Superman pré-crise, nascendo assim “O que aconteceu ao Homem de Aço?”. 


Com um roteiro linear e de fácil entendimento, Alan Moore presta diversas homenagens não só ao próprio Homem de Aço e seu universo, como também para os artistas que passaram pelo título todos aqueles anos, desde 1938. Já na primeira história George Pérez trabalha como arte-finalista de Curt Swan, que desenhava o personagem desde a década de 50, e que foi convidado a participar desse projeto justamente por sua longeva carreira à frente de um dos principais títulos da editora. Otraço característico de Swan marcou seu lugar na história do Superman, e ao lado deJohn Byrne, Jerry Ordway, o próprio George Pérez e mais tarde Dan Jurgens,remonta como um dos mais lembrados pelos fãs do Azulão.


No enredo, Alan Moore define de forma bem clara o destino de todos os personagens envolvidos na mitologia do Superman, e diferente do que estamos acostumados nas HQs, cria um embate final entre ele e todos seus principais adversários, incluindo aí oMetallo, o Bizarro, Lex Luthor, Brainiac e até o temível (só que não!) Mxyzptlk.


Por se tratar de um capítulo final da saga do herói, O que aconteceu ao Homem de Aço? por vezes soa melancólico e até triste, e vários personagens que aprendemos a gostar e até admirar com o passar do tempo perecem numa batalha final (que o Superman simplesmente não consegue evitar) entre ele e um Lex Luthor cuja mente está sendo controlada por Brainiac. 


Como não podia deixar de ser, a luta decisiva entre o Homem de Aço e seus maiores inimigos ocorre na porta da Fortaleza da Solidão, aumentando o tom dramático da história e lhe conferindo um caráter sombrio, bem a cara do escritor inglês.

Lana Lang e Jimmy Olsen vão pra vala...

Apesar de seu clímax ser mesmo o desenrolar surpreendente da trama (Mxyzptlk, quem diria, hein???), em que o Superman se sacrifica em nome daquilo que sempre acreditou, O que aconteceu ao Homem de Aço?  é lenta e cansativa, proporcionando mais bocejos ao longo da leitura do que reflexões sobre esse sacrifício. 

Tá... Mas matar o Krypto é SACANAGEM!!

É estranho notar também a inabilidade do Homem de Aço em lidar com a invasão à Fortaleza da Solidão, enquanto seus amigos Jimmy Olsen e Lana Lang, que adquirem superpoderes, precisam fazer as vezes de heróis para tentar salvar a própria pele.


Embora o clima lento da história seja uma característica bem forte ao longo das páginas (e também uma marca da época em que a história foi publicada originalmente), a homenagem prestada aos anos de publicação do Superman são ainda a força motriz por traz de O que aconteceu ao Homem de Aço?, e somente por isso, somado a arte de Curt Swan é que a HQ vale a pena, dando inclusive o título do encadernado que a Panini publicou há algum tempo. 


Uma coisa a gente pode ter certeza: Alan Moore sabe escrever uma história comovente, porque não é fácil segurar as lágrimas quando o Krypto morre ou quandoo Superman se sacrifica!!


Alan Moore é provavelmente um dos únicos escritores que conseguiu criar algo de relevante com o Monstro do Pântano, personagem criado em 1971 por Len Wein(que criou também o Wolverine da Marvel) e Berni Wrightson.

Me lembro de ter visto a propaganda desse encontro entre o Homem de Aço e o Monstro do Pântano no miolo de uma das minhas antigas HQs do Capitão Américada Editora Abril e sempre me perguntar o que teria acontecido ao herói para ele ter ficado com aquela cara de zumbi. A resposta só vim a saber muitos e muitos anos depois. 


No enredo, após entrar em contato com um meteorito que continha uma espécie defungo alienígena em sua superfície, enquanto fazia uma reportagem como Clark Kent, o Homem de Aço percebe que começa a perder o controle sobre seus poderes, que por vezes são até anulados enquanto seu corpo adoecegradativamente. É interessante notar que quanto mais “humano” ele vai se tornando em decorrência da ação dessa bactéria com a qual ele foi contaminado, mais ele vai aprendendo sobre reações comuns, como ter o dedo cortado por uma folha de papel, por exemplo, o que nunca antes havia lhe acontecido, já que ele era invulnerável devido a ação do sol amarelo da Terra em seu corpo.


Com medo do que pode acontecer caso a infecção que o abate avance, Clark resolve se afastar o mais longe que puder de Metrópolis, começando uma peregrinação de carro, já que seus poderes agora instáveis não permitem que ele voe. No meio do caminho um forte delírio febril o toma, e o Homem de Aço sofre um acidente de carro, que o faz cruzar o caminho do estranho Monstro do Pântano, que o reconhece quando vê seu uniforme sob as roupas rasgadas. 


Quando desperta, tomado por delírios causados pela bactéria alien, o Superman entra em conflito com o Monstro, que logo detecta que há algo de errado com o herói. 


Não antes de arrancar pedaços do Monstro e atear fogo em metade da floresta onde reside a criatura verde (foda-se a natureza!), o Superman acaba voltando a si com a ajuda essencial do Monstro, que o vê partir sem nem dizer um “obrigado”. Que belo filho da puta esse Superman, hein! Só faltou ele quebrar o pescoço do Monstro do Pântano!


A Linha da Selva é desenhada por Rick Veitch (que eu nunca ouvi falar!), cujosdesenhos irregulares meio que dão sono, e a capa da edição também é dele, embora com uma pintura mais realista e um traço mais dinâmico. 


Vale apenas para ver como o Superman reage quando é apenas um ser humano lidando com suas fraquezas e limitações, de resto, bem aquém do nome de Alan Moore.


Eu já tinha visto o episódio de Liga da Justiça (a animação) que adaptava essa história, e sempre tive muita curiosidade em ler o material original, até porque sempre ouvira falar muito bem dele.


Lançada em Janeiro de 1985 após os eventos de Crise nas Infinitas Terras, Para o Homem que tem tudo... conta um enredo curioso em que a Mulher Maravilha e a Dupla Dinâmica Batman e Robin decidem ir até a Fortaleza da Solidão para presentearem o Homem de Aço por seu aniversário. No maior clima Superamigos,cheios de piadinhas e insinuações do Robin (Jason Todd recém “contratado” na época) com relação a voluptuosidade da Mulher maravilha, os três acabam encontrando um Superman catatônico com uma estranha planta de aspecto alienígena presa ao peito.

Robin empolgadinho com a Mulher Maravilha

O mistério sobre o que é aquela planta e quem a enviou ao Homem de Aço logo é solucionado quando o remetente do “mimo” aparece em pessoa na Fortaleza, alegando que o Superman está muito além da ajuda dos três, e que aquela planta realiza o maior sonho daquele que a toca, fazendo com que essa pessoa NÃO QUEIRA sair daquela fantasia. Assim, querendo que o gigante Mongul traga a consciência de seu amigo de volta, a Mulher maravilha decide enfrentar a criatura amarela na porrada, enquanto a dupla dinâmica procura livrar o Superman da “planta do sonho” chamada deClemência Negra.


Esta história é GENIAL em sua simplicidade, pois coloca o Homem de Aço em uma situação (até então) inusitada. Preso ao mundo que ele foi obrigado a deixar para trás quando era bebê, ele se vê feliz, casado e com um filho que desesperadamente precisa salvar, enquanto Krypton ameaça explodir. Nessa realidade seu pai Jor-Elestá vivo e o herói entra em conflito ao ter que decidir em continuar eternamente aquele sonho ou voltar para a realidade, onde Diana, Bruce e Jason lutam para trazê-lo de volta.


Para o Homem que tem tudo... é desenhada por Dave Gibbons, o parceiro de Alan Moore em Watchmen. Embora Gibbons seja excelente para retratar figuras humanas comuns, ele comete alguns erros de anatomia bem grotescos como no quadril da Mulher maravilha, que as vezes parece mais aquelas tias gordas, e na proporção de tamanho de Mongul com relação aos demais personagens. 


Gosto dos desenhos de Gibbons, mas essas deslizadas meio que tiraram o brilho da história. 

A Mulher Maravilha cadeiruda do Gibbons

O encadernado Superman - O que aconteceu ao Homem de Aço reúne as edições originais Action Comics 583, DC Comics Presents 85, Superman 423 e Superman Annual 11. 




Formato 17 x 26 cm
Capa Dura
Lombada Quadrada
Papel Couché, 132 Páginas
R$ 49,90

Ainda pode ser encontrado no site da Comix, clique aqui. Vale a pena pra você, que como eu, nunca tinha lido o material na época de seu lançamento, e também para os fãs de longa data que nunca colocaram a mão nesse material nesseformato de luxo com um acabamento caprichado. 

NOTA: 8

Pra quem ficou interessado e não leu a HQ e nem viu o episódio de Liga da Justiça sem Limites de Para o Homem que tem tudo..., abaixo, um resumão:


Fonte | Blog do Rodman

Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :