sexta-feira, 9 de dezembro de 2016




Luis Fernando Veríssimo, para quem não sabe, além de ser um grande escritor, cronista e humorista, também é autor de quadrinhos, tendo publicado tirinhas como As Cobras e As Aventuras da Família Brasil. Colunista de alguns dos principais jornais do Brasil, Veríssimo escreveu em sua coluna no jornal O Globo, intitulada “Supers”, que reproduzimos abaixo pela sua importante reflexão:

Superman” contra “Batman”, o filme, é apenas o exemplo mais evidente de uma tendência preocupante, da qual poucos se deram conta. Os super-heróis não estão mais combatendo vilões, alguns reincidentes e tão tradicionais quanto eles, estão combatendo um ao outro.

Quem imaginaria que um dia veríamos o Super-Homem e o Homem-Morcego no mesmo filme não como aliados contra o crime mas como inimigos? O que nos espera no futuro?

Homem Aranha x Homem de Ferro? Capitão América x Mulher Maravilha? Hulk, num dos seus acessos, contra todo o mundo?

Há quem diga que a questão entre Superman e Batman é antiga, embora os dois nunca tivessem se encontrado, nem socialmente. Algo envolvendo inveja, vaidades, talvez algum comentário elogioso da Lois Lane sobre Batman e sua elegância “dark”, em contraste com o calçãozinho azul 1,99 do Superman.

Talvez a frustração do Batman por não poder voar como o outro. Confesso que nunca entendi bem o Super-Homem. Do que ele vive? Do salário de jornalista, como Clark Kent, certamente não é. Sabemos tudo sobre as finanças do milionário Bruce Wayne, cujo hobby é se fantasiar de morcego e caçar bandidos, uma excentricidade de rico como qualquer outra.

Mas Super-Homem, qual é sua fonte de renda? É difícil acreditar que ele não use um dos seus superpoderes, como a capacidade de derreter portas de aço de cofres de banco só com um olhar, quando precisa de algum, sem declarar para o Fisco.

Essa estranha novidade de guerra entre os supers tem outros significados. Do nosso tempo de leitores de gibis até agora, dissolveram-se as barreiras entre o bem e o mal, ou o Bem e o Mal, e nossos heróis perderam a certeza da sua missão na Terra.

Hoje não faltam heróis, faltam vilões, ou vilões identificáveis com tal. Há uma enorme quantidade de poderes ociosos no mundo, aguardando a volta dos tempos em que não havia dúvidas sobre quem eram os maus, que nunca voltarão.

Resta aos supers medirem seus poderes enquanto esperam. Eu mal posso esperar por Lanterna Verde x Wolverine.

Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :