segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

The Flash é um dos personagens mais famosos do mundo. Seu nome se tornou até sinônimo de "velocidade" ou "fazer as coisas rapidamente". Maior velocista da editora DC Comics, que também publica Superman e Batman, o Flash já estrelou várias outras mídias além das HQs, como a TV, os desenhos animados e, agora, o cinema. 
Aproveitando a reintrodução do personagem ao grande público, o HQRock traz a trajetória cronológica e editorial do maior de todos os velocistas dos quadrinhos: The Flash.
Por isso, se banhe de produtos químicos turbinados por um relâmpago, vista-se de vermelho, vibre na Força de Aceleração e atinja a velocidade da luz para ler este post imediatamente!
Duas Versões. Ou Mais...
Vários Flashes...
Vários Flashes...
Em primeiro lugar, é preciso dizer - para o público não iniciado nos quadrinhos - que o Flash, assim como vários outros heróis da DC Comics (Lanterna Verde é outro), já teve várias versões diferentes, com nomes, uniformes e histórias distintas. Mas unidos por um legado comum.
A versão mais famosa do Flash é Barry Allen, um policial forense que vive em Central City, tal qual o personagem introduzido em Arrow. Porém, existem vários outros a usar esse nome: o primeiro foi Jay Garrick (criado em 1940), Allen foi o segundo; veio o terceiro, Wally West (em 1959); Bart Allen (em 1994); a lista prosseguiu indefinitivamente.
Contudo, apesar de cada uma das outras versões do Flash ter feito sucesso de público em algum momento, Barry Allen é o detentor oficial do título e, apesar ter sido dado como morto por mais de duas décadas (entre 1986 e 2009), está de volta e mantém o posto firme.
O Flash da Era de Ouro dos Quadrinhos
Flash Comics 01 traz a estreia do Flash.
Flash Comics 01 traz a estreia do Flash.
O mercado de super-heróis surgiu e explodiu por meio da publicação de Action Comics 01, de 1938, com a primeira aparição do Superman, bancada pela editora National Periodicals. Com o sucesso - e para desviar do fisco - a empresa abriu outras companhias irmãs, e uma delas foi a All-American Comics, que lançou em 1940 a revista Flash Comics 01, que trazia a estreia do Flash, criado por Gardner Fox e Harry Lampert.
Gardner Fox era um advogado que vinha escrevendo histórias para aquelas duas editoras - mais tarde unidas sob o nome DC Comics - particularmente do Batman. Foi ele quem teve a ideia de um super-herói cujo os superpoderes consistiam justamente em correr muito rápido. Como essa habilidade estava associada à figura do deus grego Hermes (ou Mercúrio), o desenhista Harry Lampert criou o visual do personagem baseado no deus: um homem usando um chapéu prateado com duas asinhas. O restante era uma roupa quase comum, com calça e camisa de mangas longas. Um detalhe era curioso: não havia máscara!
Capa de Flash Comics 26.
Capa de Flash Comics 26.
Na trama mostrada em Flash Comics 01, de 1940, o universitário Jay Garrick inala acidentalmente os gases de um composto secreto chamado água pesada (hard water nos anos 1940, mais tarde modificado para heavy water) que lhe dá a habilidade de correr rápido como ninguém.
Um pequeno detalhe importante: assim como Action Comis e Detective Comics, Flash Comics trazia várias histórias de vários personagens. Apesar do Flash ser o protagonista, a revista trouxe outros heróis importantes, como o Gavião Negro (Hawkman), que também estreou na primeira edição. Gavião Negro, inclusive, logo alternaria a presença nas capas com o próprio Flash. A heroína Canário Negro também estrearia e teria suas histórias em Flash Comics.
O Flash fez muito sucesso, tornando-se um dos personagens mais populares da Era de Ouro, inclusive no Brasil, onde foi publicado já naquela época, com o nome de Joel Ciclone. (Termo que alguns tradutores nostálgicos insistem em usar de vez em quando).
A estreia da Sociedade da Justiça:
A estreia da Sociedade da Justiça: Átomo, Sandman, Espectro, Flash, Gavião Negro, Dr. Destino, Lanterna Verde e Homem-Hora.
Por isso, não é nenhuma surpresa que o Flash tenha sido um dos membros fundadores da Sociedade da Justiça, o primeiro grupo de super-heróis, criado pelo mesmo Gardner Fox, mais Sheldon Mayer, aparecendo em All-Star Comics 03, de 1940, reunindo personagens como Lanterna Verde, Gavião Negro (Hawkman), Homem-Hora, Sandman e outros.
O sucesso prosseguiu pela primeira metade dos anos 1940, mas com o fim da II Guerra Mundial, em 1945, as vendas das revistas de super-heróis começaram a cair. Gardner Fox escreveu as 80 primeiras edições de Flash Comics, entre 1940 e 1947, antes de ser substituído por Robert Kanigher, que produziu a maior parte da temporada final, entre os números 84 e 104 (com alguns intervalos breves), até 1949, quando a revista foi cancelada.
O Flash ainda continuou aparecendo nas histórias da Sociedade da Justiça, até que esta também foi cancelada, em All Star Comics 57, de 1951. A revista mudou seu título para All Western Comics, com histórias de faroeste. Era o fim da Era de Ouro, com os heróis caindo em total decadência e desaparecendo - alguns sem deixar rastros.
As únicas exceções foram Superman e Batman, que mantiveram a popularidade a duras penas, mas agora sozinhos, num mercado entupido de faroeste, terror, policiais, monstros e romances.
O Flash da Era de Prata
Showcase 04 traz a estreia do Flash.
Showcase 04 traz a estreia do Flash.
Em meados da década de 1950, o editor Julius Schwartz assumiu vários dos títulos da DC Comics e decidiu tentar trazer os velhos super-heróis do passado de volta, para fazerem companhia a Superman e Batman. Contudo, tentou não repetir o insucesso da Marvel Comics - então, chamada Atlas Comics - que tentou trazer seus velhos heróis dos anos 1940 de volta, num fracasso amargo.
Por isso, Schwartz teve a ideia de criar novas versões dos heróis, em vez de trazê-los de volta. O Flash foi justamente o primeiro dos antigos super-heróis a ser trazido de volta - o que também ilustra sua popularidade - dando início à Era de Prata dos quadrinhos. Sua estreia, na revista Showcase 04, de 1956, inclusive, é contada como o marco-zero da Era de Prata.
Schwartz deu a missão de recriar o Flash a Robert Kanigher, que tinha notória experiência com o personagem e ainda estava na DC, escrevendo histórias do Superman. Para os desenhos, foi recrutado Carmine Infantino, um mestre de arte clássica, realista e plástica. Infantino criou o magnífico uniforme do segundo Flash, que se transformou em um ícone.
Na trama escrita por Kanigher, em Showcase 04, o policial forense Barry Allen sofre um acidente em que é banhado por uma série de produtos químicos ao mesmo tempo em que é atingido por um raio numa noite de chuva. Em consequência ao acidente, Allen passa a se movimentar em altíssima velocidade. Tão rápido que podia caminhar por cima da água e subir nas paredes sem ser afetado pela gravidade. Histórias posteriores definiram que isso era possível porque o policial passou a acessar a Força de Aceleração, uma força física que existe na Terra, tal qual a gravidade.
A história fez bastante sucesso e o novo Flash retornou nas edições 08 , 13 e 14 de Showcase, até que ganhou uma revista própria Flash Comics, em 1959, que continuou a numeração de sua encarnação anterior, iniciando, assim, a partir da edição 105. Curiosamente, quem passou a cuidar da revista foi o roteirista John Broome, ainda com os desenhos de Infantino. Broome, porém, tinha experiência anterior com o personagem, pois também escrevera histórias para a antiga Flash Comics, especialmente entre 1948 e 1949.
sucesso do Flash motivou a DC e Schwartz a lançarem novas versões de velhos heróis, ressurgindo, assim, Lanterna Verde, Elektron (The Atom), Gavião Negro (Hawkman) e outros.
Capa de "The Brave and the Bold 28", de 1960, com a primeira história da Liga da Justiça.
Capa de "The Brave and the Bold 28", de 1960, com a primeira história da Liga da Justiça.
Disposta a seguir os passos do passado, a DC inclusive reagrupou seus novos heróis em um time: a Liga da Justiça surgiu na revista The Brave and the Bold 28, de 1960, quando Flash, Lanterna Verde, Mulher-Maravilha, Aquaman e Caçador de Marte uniram suas forças contra Starro, nas mãos de Gardner Fox e Mike Sekowski.
Em pouco tempo, veio a revista Justice League 01, em 1961, com a mesma equipe criativa, mas um time de heróis maior: Batman e Superman ingressam no grupo, logo, seguidos por Arqueiro Verde e Elektron.
A revista Flash é reiniciada.
A revista Flash é reiniciada.
É ao longo dos anos 1960 que a maior parte do cânone ficcional em torno do Flash vai se construindo. Ao longo daquela década, Gardner Fox, John Broome e Robert Kanigher se revezavam criando personagens, vilões e histórias marcantes, que delimitaram o universo próprio do personagem, mas também impactaram no Universo DC como um todo.
A primeira grande adesão veio ainda em 1959, com o surgimento de Wally West, o Kid Flash, que estreou em Flash 110, por John Broome e Carmine Infantino. Na trama, Wally é sobrinho da namorada de Barry Allen, Iris West, e ganha os mesmos poderes do Flash ao sofrer o mesmíssimo acidente que Barry havia sofrido. O jovem logo passa a ser o parceiro de combate ao crime do Flash, usando o mesmíssimo uniforme do herói.
Obviamente, era uma grande confusão visual conseguir distinguir em alguns quadros quem era quem, e mais, tarde, a DC criou um uniforme específico para o Kid Flash, mais juvenil e com a predominância da cor amarela.
A Galeria de Vilões do Flash.
A Galeria de Vilões do Flash.
Uma segunda adesão fundamental é a Galeria dos Vilões do Flash, um conjunto de criminosos bastante emblemáticos, que se não são tão famosos quanto os inimigos do Batman, por exemplo, são personagens bastante queridos dos fãs da DC Comics. Destaque para Capitão Frio (Showcase 8, 1959); Mestre dos Espelhos (Flash 105, 1959); Gorila Grodd (edição 106, 1959); Capitão Bumerangue (edição 117, 1960) e Professor Zoom ou Flash Reverso (edição 139, 1963); a maior parte deles criados por Broome e Infantino, mas repetidos a exaustão por todos os escritores subsequentes. Inclusive, não raro, esses vilões se uniam como um supergrupo para combater o velocista escarlate.
Flash 123 introduz o conceito do Multiverso e traz Jay Garrick de volta.
Flash 123 introduz o conceito do Multiverso e traz Jay Garrick de volta.
Uma terceira adesão fundamental adicionada no universo do Flash foi a noção do Multiverso, algo que se tornou fundamental e indissociável do Universo DC com um todo. Em Flash 123, de 1963, escrita por Gardner Fox e desenhada por Carmine Infantino, foi publicada a história Flash de Dois Mundos (Flash of Two Worlds), que estabeleceu o conceito do multiverso. Na trama, o Flash descobre que ao vibrar por entre as moléculas atômicas em altíssima velocidade, ele podia acessar outras dimensões. Ao fazer isso sem querer, termina encontrando com Jay Garrick, o Flash da Era de Ouro.
Fica estabelecido, então, que Jay Garrick - e consequentemente toda a Sociedade da Justiça - viviam em uma dimensão paralela a nossa, que logo seria batizada de Terra-2. Várias edições seguintes de Flash e de Justice League, passaram então a explorar o conceito, estabelecendo que a Terra-2 também possuía versões de personagens como Superman e Batman (que também tinham histórias publicadas nos anos 1940 e também agiram ao lado da Sociedade da Justiça), que eram mais velhos do que suas contrapartes da Terra-1, o Universo DC oficial. Era uma maneira de explicar as histórias antigas.
Ao criar o multiverso, a DC oficializou a diferenciação entre a Era de Ouro (com suas aventuras na Terra-2) e a Era de Prata, que era o Universo DC oficial.
O Flash Reverso: principal vilão.
O Flash Reverso: principal vilão.
Voltando ao Flash, suas histórias fizeram bastante sucesso nos anos 1960, sendo um dos principais títulos da DC Comics. A mitologia do personagem continuou sendo ampliada a cada ano. Em 1963Flash 139 trouxe o surgimento daquele que seria o seu principal vilão: o Flash Reverso. Na trama da dupla Broome e Infantino, o Professor Zoom vinha do futuro, do século XXV, e usava a tecnologia para desenvolver exatamente os mesmos poderes de Barry Allen. Assim, era um oponente sempre muito difícil de ser combatido; e por isso mesmo, retornando constantemente para desafiar o herói.
O casamento de Barry Allen e Iris West.
O casamento de Barry Allen e Iris West.
Exemplo disso foi Flash 165, publicada em 1966, no qual o Flash Reverso troca de lugar com Barry Allen justo no momento em que o rapaz iria se casar com a noiva Iris West. No final das contas, nosso herói consegue derrotá-lo e, com isso, torna-se o primeiro dos super-heróis "grandes" a se casar de verdade nos quadrinhos; algo bastante raro naqueles tempos.
Superman e Flash disputam uma corrida.
Superman e Flash disputam uma corrida.








sucesso do Flash também o fez participar de outras revistas da DC além de Justice League of America. Em Superman 199, de 1967, temos a primeira corrida do homem de aço contra o homem mais rápido do mundo. Quem venceria? Essa era uma pergunta que inquietava os fãs desde sempre e a trama de Jim Shooter (texto) e Curt Swan (arte) mostrava os dois fazendo uma disputa beneficente para a ONU, mas mafiosos se metiam no meio para ganhar dinheiro com isso. Entre corridas e luta contra os bandidos, a disputa termina empatada, mantendo os fãs no suspense.
Contudo, as corridas entre Superman e Flash passariam a se tornar mais comuns com o passar dos anos e terminou ficando estabelecido que o Flash ganha a disputa.
Capa de "The Brave and the Bold 81": Batman e Flash unidos contra Bork numa clássica aventura.
Capa de "The Brave and the Bold 81": Batman e Flash unidos contra Bork numa clássica aventura.
Outro exemplo de participação especial foi a lendária The Brave and the Bold 81, de 1968, no qual o Flash une as forças com Batman contra um vilão indestrutível chamado Bork. Era uma antiga revista especializada em "encontros especiais" entre personagens, mas devido ao sucesso da série de TV do homem-morcego na época, no ano anterior, passou a sempre trazer um encontro do cavaleiro das trevas com outro herói da DC. Este número foi um dos mais marcantes na memória dos fãs, especialmente pela arte espetacular de Neal Adams.
Os Jovens Titãs com Kid Flash.
Os Jovens Titãs com Kid Flash.
Além de seu mentor, o Kid Flash também alçou vôos próprios, tendo formado o grupo adolescentes Os Titãs em The Brave and the Bold 54, de 1964, juntamente com Robin e Aqualad, o parceiro do Aquaman. Posteriormente, o grupo ganharia adesões da Moça Maravilha e Ricardito (Speedy, o parceiro do Arqueiro Verde) e teria aventuras próprias.
A Era de Bronze
Capa de Flash. 221, por Nick Cardy.
Capa de Flash. 221, por Nick Cardy.
No fim dos anos 1960, a DC começou a sentir a concorrência da Marvel Comics, que tinha heróis mais realistas, dramáticos e humanos. A DC, ao contrário, mantinha muito firme sua postura da Era de Prata, trabalhando com histórias mais esquemáticas e com o mesmo grupo de artistas desde a Era de Ouro. Mas com a queda nas vendas, a editora promoveu uma grande reformulação editorial a partir de 1968, o que vai dar origem em seguida à Era de Bronze dos Quadrinhos.
Uma das marcas dessa mudança foi a contratação de escritores e desenhistas mais jovens, mais antenados aos anseios da juventude da era hippie e de Woodstock. Por isso, a partir de 1968, escritores como Gardner Fox, John Broome e Robert Kanigher, começaram a ser afastados em prol dos mais jovens, como Cary Bates e Mike Friedrick, que se torna o principal escritor de Flash, entre 1969 e 1971. Em seguida, veio uma fase em que Cary Bates alternava edições com Dennis O'Neil, até mais ou menos 1977, quando este se mudou para a Marvel Comics e Bates prosseguiu como o principal escritor do personagem até a grande reformulação de 1985.
Vários novos desenhistas também trabalharam com o personagem, além do já citado Neal Adams, nomes como Nick Cardy (especialmente nas capas), José Garcia-Lopes e Alex Saviuk.
O Flash nos anos 1970: menos interesse dos fãs.
O Flash nos anos 1970: menos interesse dos fãs.


desenvolvimento do personagem tornou o Flash um dos personagens mais poderosos da DC, usando as características já estabelecidas por John Broome (supervelocidade, capacidade de correr em cima da água ou subindo em paredes, capacidade de vibrar as moléculas do corpo e atravessar paredes e objetos sólidos), mas ampliando-as cada vez mais, até o ponto de Barry Allen poder se movimentar na velocidade da luz, por alguns instantes. Em algumas ocasiões, o herói podia até correr no espaço sideral por causa dessa habilidade.
Contudo, o fato de se tornar um herói tão poderoso começou a contar contra o personagem. Ao adentrar os anos 1970, escritores (novos e velhos) tinham grande dificuldade em contar histórias desafiantes para o velocista escarlate, ao mesmo tempo em que a DC Comics mostrava reticências em inovar os conceitos estabelecidos na década anterior. Desse modo, os anos 1970 foram bem menos marcantes para o Flash, enquanto a venda de suas revistas decaía rapidamente, no mercado cada vez mais dominado pela Marvel Comics e seus heróis mais problemáticos e realistas.
Talvez isso tenha motivado a DC a afastar o Kid Flash das aventuras de seu mentor, fato que ocorre em consequência da revista especial The Flash Spectacular: Dollar Comics, uma edição comemorativa de 1978, na linha dos vários especiais que comemoravam os 50 anos do Superman. A aventura reuniu vários velocistas da DC (Flash, Jay Garrick, Kid Flash e até Johnny Quick, personagem meio esquecido dos anos 1940), numa trama que envolvia o Multiverso da DC e o vilão Gorila Grodd, escrita por Cary Bates.
A capa de Flash 275, com a morte de iris Allen.
A capa de Flash 275, com a morte de iris Allen.
Outra tentativa mais drástica de balançar o universo do personagem foi a morte de iris West-Allen, que ocorreu em Flash 275, de 1979, numa história de Cary Bates e Alex Saviuk. Era uma tentativa de tornar as aventuras do heróis mais sombrias, mais em acordo com o clima mais bruto da Era de Bronze. Embora àquela altura outras namoradas de super-heróis já tivessem falecido - desde a pioneira Gwen Stacy (Homem-Aranha) em 1973 até Sharon Carter (Capitão América) naquele mesmo período - o assassinato de Iris West é importante, tornando o Flash um dos primeiros heróis viúvos das HQs.
clima sombrio permaneceu sendo a tônica das histórias do Flash nos anos seguintes. Apesar de um criminoso ser preso, Barry Allen tem motivos (ele é um perito da polícia, lembram?) para suspeitar de outro criminoso. E quase um ano depois daquela história, o velocista escarlate termina descobrindo que o assassino é mesmo o Professor Zoom, o Flash Reverso.
Em meio à queda nas vendas das revistas, as histórias do Flash assumiram um tom ainda mais sombrio a partir de 1983, quando foi publicada Flash 324, edição que deu início ao longuíssimo arco conhecido como O Julgamento do Flash.
O Flash Reverso tenta matar Fiona Webb.
O Flash Reverso tenta matar Fiona Webb.
Na trama, escrita por Cary Bates, Barry Allen decide se casar com sua nova namorada, Fiona Webb. Então, o Flash Reverso ataca outra vez, destinado a matar a garota. Numa tentativa desenfreada de impedi-lo, a ação do Flash termina por matar o vilão. A partir de então, a Justiça, seus amigos e os outros heróis da DC, irão avaliar as ações do herói e saber se ele deve ser punido ou não.
O Julgamento do Flash foi muito criticado pelos leitores, pois se prolongou por praticamente dois anos de histórias. Nos bastidores, Bates foi informado pela alta direção da DC Comics que o personagem Barry Allen iria ser morto em uma grande saga a ser publicada a seguir e, então, em vez de criar uma nova história, decidiu esticar sua trama até o fim da revista.
De fato, O Julgamento só se encerrou em Flash 350, de 1985, a última edição da revista.
A Crise e a Morte de Barry Allen
A morte do Flash Reverso.
As vendas da DC decaíram cada vez mais ao longo dos anos 1970, enquanto a Marvel se tornava a mais poderosa editora do mercado. No fim daquela década, a Marvel deu um golpe quase fatal ao conseguir popularidade não somente por meio de seus personagens, mas também pela publicação de HQs de franquias de cinema como Star Wars (que fez muito sucesso) e 2001 - Uma Odisseia no Espaço.
Assim, no início dos anos 1980, a DC estava na maior crise de vendas de sua história. O único título de destaque da editora era uma nova versão dos Titãs, da qual o Kid Flash continuava como membro, produzida por duas ex-estrelas da Marvel, escrita por Marv Wolfman e desenhada por George Perez. Então, à beira da falência, a editora promoveu uma medida desesperada: uma grande reformulação editorial que reorganizasse seu universo ficcional e melhorasse as histórias para que um novo público leitor comprasse suas revistas.
Veio, assim, Crise nas Infinitas Terras, uma megaevento publicado em uma maxissérie em 12 edições, entre 1985 e 1986, sob o comando, não por coincidência de Marv Wolfman e George Perez. Na trama, um vilão de altíssimo poder cósmico, o Antimonitor, decide reestruturar a realidade, e os heróis da Terra se unem para impedi-lo. Os heróis de todas as Terras!
Barry Allen ganha uma nova origem após Crise nas Infinitas Terras.
Barry Allen ganha uma nova origem após Crise nas Infinitas Terras.
O fato é que o Multiverso da DC tinha evoluído tanto que tornara-se ininteligível. Não havia mais somente a Terra-1 e a Terra-2, mas também, a Terra-3, a Terra-S e muitas outras. Era confuso porque personagens participavam de uma ou mais Terras e ninguém sabia ao certo o que era válido ou não em termos de cronologia. A decisão foi radical: Crise nas Infinitas Terras extinguiu o Multiverso e criou uma única realidade para o Universo DC. Agora, personagens das outras editoras que a DC havia comprado - como o Capitão Marvel da Fawcett Comics e os heróis da Charlton Comics - estavam no mesmo universo de Superman, Batman e Cia.
Além disso, ficou estabelecido que os heróis da Era de Ouro, como o Flash Jay Garrick e a Sociedade da Justiça, tinham simplesmente existido no passado da continuidade normal do Universo DC.
Todavia, era preciso que Crise nas Infinitas Terras fosse um evento dramático, e alguns heróis perderam sua vida no evento, como o Flash e a Supergirl.
A morte de Barry Allen em Crise nas Infinitas Terras.
A morte de Barry Allen em Crise nas Infinitas Terras.
Na trama, o Flash é capturado pelo vilão e precisa correr mais rápido do que a velocidade da luz para impedir que o Antimonitor destrua a realidade. Em Crisis in Infinitive Earths 08, de 1985, por Wolfman a Perez, Barry Allen consegue impedir o raio, mas morre em consequência de ultrapassar a velocidade da luz.
Era o fim (provisório) do mais popular dos velocistas dos quadrinhos.
Flash morreu em Crise nas Infinitas Terras e sua última edição mensal foi a edição 350, de 1985
O Flash Wally West
Wally West se torna o Flash.
Wally West se torna o Flash.
Claro que por trás da morte de Barry Allen havia uma decisão editorial: a repetição cíclica das mesmas aventuras do Flash haviam desgastado demais o personagem. Era necessária uma renovação. E isso se deu com a morte de Barry Allen e sua substituição como Flash através de Wally West, o Kid Flash.
Na época, histórias mostravam que Wally havia perdido seus poderes ao passar pelas transformações de metabolismo no fim da adolescência. Mas uma ação em Crise das Infinitas Terras lhe devolveu seus poderes, embora muito mais limitados do que antes: ele só podia chegar há pouco mais do que a velocidade de som!
A revista Flash ganha um volume 2, em 1987.
A revista Flash ganha um volume 2, em 1987.





Agora, Wally West era um novo Flash, mais jovem, menos experiente. Pulou dos Novos Titãs para a Liga da Justiça! Suas histórias exploravam esse amadurecimento e fizeram muito sucesso!
A revista Flash ganhou um novo volume, com a numeração zerada, que estreou em 1987, e um novo time de artistas: textos de Mike Baron e desenhos de Jackson Guice, durante as 14 primeiras edições; vindo em seguida a fase de William Messner-Loebs e Greg LaRoque, a partir da edição 15, em 1988.
O Flash Na TV
O Flash na TV por John Wesley Shipp.
O Flash na TV por John Wesley Shipp.
O sucesso inicial de Wally West coincidiu ainda com a adaptação do Flash para a TV, por meio de uma série estrelada por John Wesley Shipp que estreou em 1990 na CBS. Criada por Denny Bilson e Paul DeMeo, com episódios escritos por Howard Chaykin, a série mostrava um mix das versões Barry Allen e Wally West em uma ambientação realista. Na trama, Barry Allen é um legista forense da polícia e enquanto investiga o assassinato de seu irmão mais velho, Jay, termina sofrendo um acidente que lhe dá os poderes do Flash. Usando um uniforme que lhe protege do atrito, passa a combater o crime.
O elenco era secundado por Amanda Pays (como Tina McGee) e trouxe vários dos vilões dos quadrinhos, como Capitão Frio, Mestre dos Espelhos e o Trickster, sendo este interpretado por Mark Hamill, o Luke Starwalker de Star Wars.
Infelizmente, apesar do sucesso entre os fãs e de ser aclamada pela crítica, a série The Flash foi cancelada ao fim de sua Primeira e única temporada, por que não conseguiu fazer frente aos outros programas do horário e à eclosão da Guerra do Iraque. Mas é um bom programa.
A Fase de Mark Waid
O Flash de Mark Waid: apogeu do personagem Wally West.
O Flash de Mark Waid: apogeu do personagem Wally West.
Apesar do sucesso da fase inicial, o Flash Wally West viveu seu apogeu comercial e criativo no início dos anos 1990, quando o escritor Mark Waid assumiu a revista, a partir de Flash 62, de 1992. Seu principal parceiro seria o desenhista Mike Wieringo.
Até então, o Flash permanecia com seus poderes limitados, mas Waid criou toda uma nova ambientação para o personagem, explorando sua família e amigos, seu fardo como herói, a herança de Barry Allen, e o desenvolvimento de novos poderes. Ficou estabelecido, por exemplo, que Wally não atingia velocidades maiores por um bloqueio mental relacionado ao trauma pela morte de Allen, que amava como um tio. Porém, ao confrontar o Professor Zoom ou Flash Reverso, Wally termina vencendo o bloqueio e passa a ser tão veloz quanto Allen era.
Ainda assim, não era capaz de atravessar os objetos sólidos, pois sempre que fazia isso, terminava explodindo-os. Porém, logo, Wally passou a explorar esse dom como uma arma. Outra habilidade que desenvolveu foi manipular a força de aceleração, de modo que podia conceder supervelocidade a objetos e pessoas que tocasse.
loga fase de Mark Waid prosseguiu até a edição 129, em 1996; e foi retomada em seguida, entre as edições 142 e 159, de 1998 a 2000. Nesse período, Wally West se tornou um dos personagens mais populares da DC Comics e a revista fez bastante sucesso. Por isso, Waid é considerado o escritor por excelência do Flash.
Outro detalhe importante é que Waid modificou ligeiramente o visual do Flash, deixando-o mais moderno: o cinto passou a ser em V, como dois raios se tocando; os olhos deixaram de ser vistos, adotando-se a lente branca que personagens como o Batman usam; abandonou-se as asinhas na bota; e o uniforme tornou-se mais escuro, sendo verdadeiramente de escarlate com sombras pretas.
Impulso também foi criação de Mark Waid.
Impulso também foi criação de Mark Waid.
Waid também criou um novo tipo de Kid Flash: em consequência ao megaevento Zero Hora, em 1994 (que revia algumas incongruências de Crise nas Infinitas Terras), o escritor introduziu o personagem Bart Allen, um neto de Barry Allen que vem do futuro, do século 21. Preso em nosso presente, Bart se transforma em Impulso, agindo ao lado de Wally West, mas também ganhando histórias solo e participando dos grupos Novos Titãs e Justiça Jovem.
Waid também escreveu histórias sobre Barry Allen, em destaque à maxissérie Liga da Justiça: Ano Um, publicada em 1996 e 1997, mostrando a origem do grupo dentro dos conformes estabelecidos pela Crise nas Infinitas Terras. Na trama, Flash é o líder da Liga, que não teria adicionado personagens como Superman e Batman até o seu segundo ano de atuação. O time original seria: Flash, Lanterna Verde, Aquaman, Canário Negro e o Caçador de Marte
"Ano Um" cria um interesse amoros entre a Canário Negro e o Flash inexistente em histórias prévias.
"Ano Um" cria um interesse amoros entre a Canário Negro e o Flash inexistente em histórias prévias.
No intervalo da fase de Waid, o personagem foi escrito por Grant Morrison e o então novato Mark Millar.
O Desenho Animado da Liga da Justiça
O Flash no desenho animado.
O Flash no desenho animado.
Em 2000, a Warner adaptou a Liga da Justiça para a TV sob a forma de um desenho animado, que funcionava como um tipo de sequência das já bem sucedidas séries do Batman e do Superman. Justice League - The Animated Series era fortemente calcada na versão de Grant Morrison para a equipe, reunindo (pela primeira vez desde a Crise nas Infinitas Terras) os maiores heróis da DC: Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Flash, Lanterna Verde, Aquaman e Caçador de Marte.
No desenho, contudo, a formação era diferente: saia o Aquaman, substituído pela Mulher-Gavião, a versão feminina do Gavião Negro.
O Flash, claro, era Wally West. E a versão de Wally - mais juvenil, brincalhão e ingênuo - foi a que chegou às telinhas, com o personagem muito bem dublado por Michael Rosenbaun, ator que também ficou famoso por fazer a jovem versão de Lex Luthor na série de TV Smallville, contando a juventude de Clark Kent antes de se tornar o Superman . 
Justice League foi um grande sucesso e após três temporadas foi renovada como Justice League - Unlimited, além de vários longametragens lançados diretamente para o mercado de home video, como Liga da Justiça: Crise em Duas Terras, Justice League - Doom e Justice League - War.
Wally West e Bart Allen
Wally West como Flash.
Wally West como Flash.
O Flash continuou popular nos anos 2000, ganhando outra boa fase nas mãos do escritor Geoff Johns, a partir de Flash (vol. 2) 164 até a edição 225, em 2005. Johns criou uma nova versão do Flash Reverso e finalmente casou Wally West com Linda Park.
Com o passar do tempo, porém, o personagem começou a se desgastar. Por isso, na megassaga Crise Infinita, de 2006, Wally West e sua família terminam exilados em uma outra realidade, cabendo, assim, o papel de Flash às mãos de Bart Allen, ex-Impulso.
Assim, Flash (Vol 2) se encerra na edição 230, em 2006.
A  Liga da Justiça de Smallville, com Bart Allen à esquerda.
A Liga da Justiça de Smallville, com Bart Allen à esquerda.











Enquanto isso, Bart Allen apareceu na TV nessa época tanto em live action quanto em desenho animado. Em live actionImpulso foi um dos membros da Liga da Justiça formada em Smallville. Um Bart Allen adolescente apareceu primeiro na 4ª temporada e prosseguiu fazendo participações especiais, entre 2004 e 2009; ou seja, a 8ª Temporada, vivido por Kyle Gallner. O personagem Impulso continua sendo citado até o fim da série, na 10ª Temporada, mas sem aparições explícitas.
Flashes em Young Justice.
Flashes em Young Justice.
Em 2010, estreou o desenho Young Justice, na qual Impulso aparece como um dos membros na segunda temporada. O desenho fez bastante sucesso entre o público infanto-juvenil para o qual era voltado.
De volta aos quadrinhos, após o encerramento de Flash (Vol 2), em 2006, esta é substituída por uma revista chamada Flash: The Fastest Man Alive, na qual é Bart Allen o quarto a usar o título de Flash. A revista, porém, não emplacou e foi cancelada já na edição 13, de 2007, com Bart Allen sendo morto.
Por isso, Wally West foi trazido de volta e Flash (Vol 2) retomou sua publicação em 2007, continuando a numeração a partir da edição 231. Ainda assim, as vendas não decolaram e a revista foi novamente cancelada em 2009, na edição 247.
A Volta de Barry Allen
Barry Allen retorna dos mortos!
Barry Allen retorna dos mortos!
Já há muitos anos, os leitores pediam a volta de Barry Allen, como detentor legítimo do nome Flash. Assim, em 2009, a DC editou a minissérie Flash: Rebirth, em seis edições, escritas por Geoff Johns e desenhadas por Ethan Van Sciver, que como o título entrega, reintroduziram Allen ao mundo dos vivos.
Barry Allen voltou a ser o Flash, dando início à Flash (vol 3) em 2010, ainda com Geoff Johns nos roteiros e tendo Francis Manapu nos desenhos.
Nesta fase, Allen voltou a ser um dos principais heróis da DC Comics e foi o protagonista da maxissérie Flashpoint, em 2011, em que viaja no tempo e termina alterando a realidade, desculpa para mais uma reformulação editorial da DC Comics, que deu início a uma nova cronologia. O evento foi adaptado como um longametragem animado chamado Justice League - The Flashpoint Paradox.
Os Novos 52
O visual de Barry Allen em Os Novos 52.
O visual de Barry Allen em Os Novos 52.
Os Novos 52 é o nome da nova cronologia que dá início após o fim de Flashpoint. O Flash, assim como todos os heróis da DC, ganham origens com novos detalhes e são rejuvenescidos. Na nova cronologia, só faz cinco anos que os heróis surgiram, o que deixa todos eles na casa dos 20 e poucos anos.
O Flash permanece ligado à origem da Liga da Justiça, que tem uma nova história de origem contada por Geoff Johns e Jim Lee em Justice League 01 a 07, de 2011 e 2012, onde combatem o vilão Darkseid. A história também está sendo adaptada como longametragem animado em Justice League - War.
A revista Flash, em seu vol. 4, agora com textos e desenhos de Francis Manapul e Brian Buccellato, explora um Barry Allen mais jovem e menos experiente, ainda tentando dominar totalmente os seus poderes.
Na TV de novo
Grant Gustin como Barry Allen em sua estreia em Arrow.
Grant Gustin como Barry Allen em sua estreia em Arrow.


Com o lançamento dos filmes de heróis da DC Comics, e o sucesso extraordinário da Trilogia Cavaleiro das Trevas do Batman, todos esperam que vários heróis também sejam encaminhados ao cinema. O Flash, por exemplo, tinha um projeto de virar filme desde mais ou menos 2006, quando o escritor David S. Goyer (o mesmo dos dois citados acima) entregou um roteiro ao estúdio, que queria Ryan Reynolds no papel de Barry Allen. O filme não foi para frente e Ryan Reynolds terminou se transformando em Hal Jordan no filme Lanterna Verde, de 2011, que foi um grande fracasso.
O Flash da TV. 
Enquanto isso, o Flash retornou à TV. Após a estreia e o sucesso de Arrow, com as aventuras do Arqueiro Verde, a DC viu a oportunidade de criar um universo próprio na telinha, infelizmente, ainda separado daquele outro do cinema. Barry Allen fez sua estreia como participação especial em Arrow, na 2ª Temporada. Na trama, ele ainda era apenas o cientista forense de Central City que ia investigar um caso similar a outro que trabalhou e cruza o caminho com Oliver Queen e sua identidade secreta. Interpretado com competência e carisma por Grant Gustin, o personagem foi imediatamente bem aceito.
Episódio Piloto de The Flash foi ao ar em 2014 e foi um grande sucesso, imediatamente rendendo uma 1ª temporada muito boa e bastante fiel aos quadrinhos. Na trama, Barry Allen presenciou o assassinato de sua mãe por uma força misteriosa de cor amarela e vermelha (que descobriremos se tratar do Flash Reverso). Seu pai, Henry Allen, é acusado pelo crime e passa 15 anos na cadeia. Adulto, Barry se transforma em um cientista forense da polícia de Central City e investiga a morte da mãe numa tentativa de inocentar o pai. 
Flash e Arrow juntos: Universo DC na TV. 
Ao mesmo tempo, se envolve com os Laboratórios STAR comandados pelo enigmático Dr. Harrison Wells. De cara, a série mostra que o cientista tem um futuro (isso mesmo!) misterioso e ligado a Barry. O Acelerador de Partículas de Wells explode sobre a cidade e atinge Barry, que passa seis meses em coma e acorda com superpoderes de velocidade. Wells e sua equipe, Cisco e Kaitlin, irá ajudar Barry a usar seus poderes para combater o crime, porque ele não foi o único afetado pelo acidente, que gerou uma série de metahumanos na cidade. 
Com uma trama que mistura presente, passado e futuro, realidades alternativas, outros velocistas, combates com o Flash Reverso, Zoom, Grodd e Capitão Frio, The Flash já vai para a 3ª temporada firme e forte, numa adaptação bastante literal das HQs do personagem. 
E não somente isso, a DC montou um verdadeiro universo na TV, com Arrow, The Flash, Legends of Tomorrow e Supergirl. Até Constantine ganhou uma série, infelizmente cancelada. Todos aqueles personagens - à exceção deste último - foram reunidos em um crossover que percorreu um capítulo de cada série ao longo de uma semana, num grande sucesso. 
Nos Cinemas
Batman vs. Superman insere o Universo DC nos cinemas. 
Apesar daquele velho projeto de levar o Flash aos cinemas não tenha emplacado, a Warner Bros. finalmente teve peito de levar o Universo DC aos cinemas, percebendo o sucesso arrasador que a concorrente Marvel Comics fez. Superman - O Homem de Aço foi recebido com ressalvas em 2013 e não traz nenhum elemento direto relacionado a um universo por trás, mas ainda assim, foi tomado como ponto de partida.
A sequência desse filme, surpreendentemente, foi anunciada com o título de Batman vs. Superman - A Origem da Justiça, e estreou em 2016, numa trama em que o homem-morcego toma o homem de aço como inimigo por causa da grande destruição em Metrópolis do filme anterior. No meio disso, as maquinações de Lex Luthor com a tecnologia alienígena e a participação da Mulher-Maravilha. Pronto, de uma tacada só estava lançado o Universo DC no cinema. 
Bruce Wayne e Barry Allen no trailer de Liga da JUstiça. 
A Origem da Justiça traz a estreia do Flash nos cinemas. Na trama, o Batman tem acesso a arquivos de Luthor sobre os misteriosos metahumanos e descobre a existência de vários deles, inclusive, de um jovem que se move a velocidades impressionantes. Em outra sequência, Bruce Wayne tem algo que parece um sonho no qual um homem misterioso, vestindo uma armadura vermelha, aparece de um buraco no espaço-tempo para lhe alertar do futuro e que "Lois Lane é a chave". 
Em 2016 também estreou Esquadrão Suicida, com a adaptação da equipe de criminosos reunidos pelo Governo dos EUA para missões impossíveis, com membros como Pistoleiro, Arlequina, Crocodilo e Capitão Bumerangue. Este, claro, é inimigo do Flash, e vemos num flashback o bandido sendo preso pelo velocista, numa pequena participação especial. 
O Flash do cinema. 
A estreia integral de Flash no cinema, porém, se dará em Liga da Justiça, que vai estrear em 2017. O primeiro trailer já foi divulgado e mostra Barry Allen - vivido por Ezra Miller nas três ocasiões - em destaque, particularmente, em uma cena com Bruce Wayne se apresentando para ele. Na trama, Batman e Mulher-Maravilha irão atrás dos metahumanos que descobriram existir pelos arquivos de Luthor (Flash, Ciborgue e Aquaman) e terão que enfrentar forças alienígenas que estão atrás de três artefatos extremamente poderosos chamados Caixas Maternas
Pelo o que o trailer mostra até agora, assim como em The Animated Series, o Flash será o alívio cômico do grupo, algo que funcionou muito bem no desenho e esperamos dar certo também no cinema. 
A Liga da Justiça do Cinema. 
Depois de Liga da Justiça, está programado o filme solo do Flash para 16 de março de 2018. Contudo, correm boatos de que essa data será mudada em favor do próximo filme solo do Batman, porque o longametragem do velocista escarlate enfrenta problemas: o primeiro diretor seria Seth Graham-Smith (que escreveu o roteiro), mas este abandonou a produção e foi substituído por Rick Famuyiwa, que também deixou o filme. Sem um diretor, a produção corre risco de não cumprir o prazo. A Warner entende que The Flash será uma peça muito importante no Universo Cinematográfico da DC, porque o personagem já faz muito sucesso na TV e tem, portanto, muito potencial a ser explorado por um público ainda maior. 
***
Flashes...
Flashes...




















O Flash foi criado por Gardner Fox e Harry Lampert, aparecendo em Flash Comics 01, de 1940. Em sua primeira versão era o universitário Jay Garrick. Após ser cancelado, o Flash ganhou umasegunda e mais famosa versão em 1956, estreando na revista Showcase 04, reformulado por Robert Kanigher e Carmine Infantino, sendo considerado o marco zero da Era de Prata dos Quadrinhos. Na trama, este novo Flash era o policial forense Barry Allen, que ganha seus poderes em um acidente de laboratório. Este Flash também foi membro fundador da Liga da Justiça, em 1960. Outras versões do Flash surgiram desde então, como Wally West, mas é Barry Allen o mais querido dos fãs e titular oficial do cargo.

Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :