sábado, 7 de janeiro de 2017



Houve um tempo que mostrar um negro como protagonista de uma HQ, ou mesmo uma mulher sendo dona do seu próprio título eram coisas inaceitáveis, mas esses tabus foram caindo com o tempo… e recentemente, temos visto uma maior aceitação de personagens importantes (não apenas o vizinho do melhor amigo do astro principal), mas protagonistas se assumindo gays e… tudo bem! Afinal o que importa nessas histórias é o seu conteúdo, seus bons enredos e não a orientação sexual dos personagens. Por essas e por outras, termos heróis e heroínas gays não deveria ter nenhum grande impacto, porque isso é apenas uma característica sua, e não vai influenciar em seu caráter e suas ações. Mas infelizmente, como vivemos numa sociedade machista, acho importante dar destaque a esses guerreiros que já bastasse enfrentar todas as agruras e percalços (custei a digitar essa palavra direito), ainda têm que lidar com o preconceito de alguns poucos que insistem em discriminar as pessoas por não concordar com quem elas devem amar. Mas é possível que use um pouquinho de humor para fazer isso… OK?

É claro que não posso deixar de levar em consideração o oportunismo de algumas editoras que usam da homossexualidade para alavancar as vendas de seus gibis… além de algumas atitudes “covardes” como fazer os personagens serem gays em “outra realidade” ou “outra Terra”… e também não concordo totalmente com a atitude fazer um personagem que sempre foi hétero de uma hora para outra se descobrir gay… da mesma forma que não acho legal fazer um herói se descobrir como vilão ou vice-versa… não que seja impossível, mas alterar a caracterização de um personagem torna a coisa muito inverosímel… bom mesmo é criar NOVOS personagens que já são apresentados com sua orientação sexual definida. De qualquer forma, falarei neste artigo de todos os casos que eu puder me lembrar.
Outro fato importante a se considerar é que a sexualidade é muito, MUITO complexa. Só porque dois homens ou duas mulheres passam por uma experiência homossexual, isso não significa que eles são gays convictos… mas também nada de dizer que isso é ‘só uma fase”. As pessoas têm o direito de experimentar, livres de rótulos.  Homossexual, Lésbica, Bissexual, Pansexual, Assexuado… enfim, são apenas palavras.  Nada muda de verdade o que cada um leva dentro de si.
Então, sem mais delongas, separei aqui uma lista digníssima com alguns dos personagens gays que me representam, e que representam acima de tudo a bandeira do HEROÍSMO!

COLOSSUS (ULTIMATE MARVEL)

A versão alternativa “quase” oficial da Marvel, o seu universo “Ultimate” tem variações interessantes dos personagens tradicionais. Alguns têm etnias diferentes, outros têm personalidades e poderes distintos… e outros ainda são de outra orientação sexual. Esse é o caso do Pietr Raspuntin, o Colossus. Sua homossexualidade foi tratada com delicadeza pelo roteirista Mark Millar, e quebrou o tabu que diz que todo gay tem que ser afeminado. Gentem, eu amo os afeminados, sem eles, muitos dos ditos “machões” viveriam e morreriam no armário e fariam muito pouco para combater as injustiças e a homofobia. Mas a verdade é que nem só de meninos delicados vivem os gays, e Colossus é um ótimo exemplo de gay másculo que prova que você não precisa agir como mulher para gostar de outros homens.
Essa versão do Colossus tinha uma paixão platônica pelo Wolverine do universo ultimate, mas acabou tendo um relacionamento com o Estrela polar (esse é gay em todas as versões da realidade! Samba na cara das inimigas!) Mas infelizmente seu namorado acabou ficando paralisado devido a uma overdose. É triste mas a fila anda, moço. Arrebenta a porta do sarcófago e mostra pro faraó quem é que manda na pirâmide, meu bem! Não vão faltar pretendentes querendo levar esse ferro! (RÁ! Piadinha infame, não resisti meu amor!)

LANTERNA VERDE (ALAN SCOTT – TERRA 2)
Muitas polêmicas giraram em torno da notícia de que o Lanterna Verde seria gay. Logo de cara, os fãs acharam que seria o Hal Jordan, e já teve quem ficasse revoltadinho… mas logo em seguida foi esclarecido que o Lanterna gay em questão seria o Alan Scott, e ainda por cima fora da cronologia “normal” das histórias, que teria suas aventuras acontecendo na Terra 2. Assim como acontece com o universo Ultimate da Marvel, a Terra 2 da DC é uma realidade alternativa de luxo. Sim meu amor, porque apesar de se passar fora da maior parte da continuidade das outras revistas, é publicada mensalmente e faz grande sucesso… lacrando o cú de muitos títulos “tradicionais” por aí. Não se trata de apenas mais um “elseworld” (Túnel do Tempo) de duração limitada.

Uma coisa que me chama a atenção é: foi decidido que Alan Scott, reformulado e em outra Terra seria gay, mas e se fosse Hal Jordan? E se ele se descobrisse homo ou bissexual? Isso invalidaria seus feitos heroicos? Bom, isso é uma outra discussão. O Lanterna Alan Scott é tipo, o maior herói da Terra 2, é como se fosse o Superman deles e praticamente o líder da Sociedade da Justiça que existe lá. Logo na sua estréia, conhecemos seu namorado, a quem ele estava prestes a pedir em casamento, mas devido a um acidente de trem, ele acabou morrendo antes de dar o anel e Alan foi escolhido por uma força superior para ser o defensor da Terra. (Uma versão do “Verde” que existe na Terra “normal”, que dá poderes ao Monstro do Pântano). Em homenagem ao namorado falecido, ele transformou a aliança de casamento que ele usaria no seu anel enérgico e usa seus poderes para combater o mal. Triste, mas muito romântico

DAKEN (MARVEL)
Ele tem fator de cura, garras retrateis e um charme irresistível. Wolverine? Nada disso, eu estou falando do filho gostoso dele, Daken. Mais um exemplo de que os estereótipos não estão com nada. Daken é guerreiro macho ativo , no nível de seu pai, mas na hora do tesão, ele pega homem, ele pega mulher, ele pega até você! Rsrsrs (brincadeiria… eu acho).

Daken é considerado um dos personagens mais sensuais da Marvel… jovem, bonito… e com uma garras enormes…

ESTRELA POLAR (MARVEL)
Talvez o mais famoso, mas certamente não o primeiro herói gay, Estrela Polar levou vários anos pra sair do armário graças a intervenções editoriais que vetavam que sua orientação fosse aberta aos leitores. Mas como os tempos mudam, (e felizmente, mudam pra melhor), hoje Jean Paul Beaubier, nosso querido mutante é assumidíssimo e não tem mais receios em declarar: EU SOU RICA! GAY!

O Estrela Polar se casou com seu namorado numa cerimônia pomposa,  e até o presente momento eles estão vivendo felizes para sempre.

HULKLING E WICCANO (MARVEL)
Membros dos Jovens Vingadores, são o casal gay adolescente mais fofo dos últimos tempos.
Teddy Altman (ou Dorrek VIII), o Hulkling é filho do Capitão Marvel com a princesa Skrull Anelle, o que explica sua mutação resultando nos poderes do rapaz.
Billy Kaplan, Wiccano (ou Asgardiano se preferir) teoricamente é filho da Feiticeira Escarlate com o Visão, uma vez que seu espírito reencarnou nele. O garoto tem poderes mágicos.

Como colegas de equipe, o sentimento entre eles foi florescendo aos poucos, até que enfim assumiram o amor que sentiam um pelo outro. FOFOS DEMAIS!!!

MARVELMAN (MARVEL)
Mike Moran é um dos personagens mais complexos da história das histórias em quadrinhos. Não é pra menos, tendo sido reformulado por Alan Moore e depois por Neil Gaiman, tudo nele é fascinante. Seja como Miracleman ou Marvelman, suas histórias são imprescindíveis. O personagem torna-se praticamente um deus no decorrer de sua trajetória e se liberta de várias amarras sociais e mundanas. Ele foi casado com uma mulher – por quem era apaixonado – e teve uma filha, mas o relacionamento não durou e ele se abriu a novas formas de amor. Demonstrou interesse romântico por seu ex-parceiro, o qual num primeiro momento não foi muito receptivo, tendo sido pego de surpresa, muito embora tenha ficado balançado com o fato.

De qualquer forma, é difícil falar sobre a sexualidade de alguém como Marvelman… é como se ele tivesse simplesmente transcendido tais conceitos.

BATWOMAN , MAGGIE SAWER E RENEE MONTOYA (DC COMICS)
A policial Maggie Sawyer foi criada por John Byrne como coadjuvante nas histórias do Superman, sendo uma das funadoras da UCE (Unidade de Crimes Especiais) em Metrópoles, e desde o começo deixou bem definida a sua orientação sexual. Embora fosse uma personagem secundária, foi ganhando força e crescendo em popularidade, assim como Renee Montoya, outra policial só que de Gotham City. Renee surgiu na série animada do Batman, criada por Paul Dini e Bruce Timm, mas graças ao seu carisma logo foi introduzida aos quadrinhos. Ela chegou a assumir a identidade do Questão antes dos novos 52, mas atualmente isso supostamente foi desconsiderado. Maggie foi transferida de Metrópoles para Gotham, e teve algo em comum com Renee: ambas se envolveram romanticamente com a milionária Kate Kane… vulgo Batwoman.
A Batwoman é uma das minhas personagens preferidas, e antes que se pense em cogitar o fato dela ser lésbica, eu já deixo bem claro: as histórias dela são foda pra caralho! Muito melhores do que muitos draminhas atuais do Batman (mas eu amo a fase do Scott Snyder com ele).

A história de Kate é interessantíssima. Ela era uma militar (assim como seu pai), mas se apaixonou por uma colega durante o treinamento. Elas foram descobertas e seu superior deu a ela a chance de negar tudo e voltar ao trabalho. Mas num ato de extrema coragem, ela assumiu sua homossexualidade e deu baixa no serviço, voltando-se para uma vida vazia e tediosa em Gotham, até ser salva de um ataque pelo Batman… isso lhe deu uma nova motivação para viver, e aprimorou seu treinamento dispondo da fortuna da família e apoio de seu pai para se tornar a grande Batwoman.
Seu relacionamento com Renee Montoya acabou não durando, mas ela redescobriu o amor nos braços de Maggie Sawyer, a quem inclusive pediu em casamento.
Infelizmente por interferências editorais, o casamento não se realizou o que causou a demissão da equipe criativa da revista. Uma pena, visto, que era um dos melhores bat-títulos sendo publicados. (Espero que a nova equipe esteja a altura).

APOLO E MEIA NOITE (DC COMICS)
Uma amor além das realidades paralelas, atravessando a Sangria, rumo ao infinito, enquanto ele durar!
Eles são a versão gay de Batman e do Superman pela ótica de Warren Ellis quando criou os personagens para seu mega sucesso “The Authority”, a equipe de vigilantes ultraviolenta que não tem o menor receio de eliminar seus inimigos. Apesar disso sempre demonstravam muito afeto um com o outro, agindo com o verdadeiro casal que são.

Eles chegaram até mesmo a se casar e adotar uma criança (antes do Estrela Polar da Marvel) , mas aparentemente esse evento foi apagado da realidade com o adventos dos Novos 52, onde equipe foi reformulada integrada ao Universo DC tradicional (originalmente eles eram publicados pelo Selo Wildstorm). Nessa nova realidade, Apolo e Meia Noite acabam de se conhecer, mas o clima romântico se instala neles de imediato… ao que parece, não importa qual seja a versão da realidade, eles estão destinados a sempre ficarem juntos!

O Texto adaptado é do excelente Santuario na coluna Bar da Barba que relata muitos outros relacionamentos e que você confere Aqui.
Artes de Fãs:


Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :