domingo, 5 de março de 2017



É com bastante alegria que finalmente podemos dizer: A FOX APRENDEU.

Depois de amargar inúmeros fracassos como:  X-Men: O Confronto final, X-Men Origens: Wolverine, Wolverine Imortal, Dias de um Futuro Esquecido e recentemente X-Men Apocalipse, entre outros, a Fox já não sabia mais como fazer um filme dos Mutantes que agradassem ao publico, a critica e tivesse um retorno nas bilheterias que fizesse justiça aos "Filhos do Átomo".

Até que ano passado, com uma proposta totalmente inovadora, produziu o mega sucesso DEADPOOL, que além de ser, praticamente uma unanimidade entre os fãs, obteve uma bilheteria mundial de US$775 Milhões de Dólares e deu o pontapé inicial para uma nova era do estúdio.

Encontrando seu caminho nos filmes mais adultos e com roteiros mais elaborados, a 20th Century Fox produz pelas mãos competentes de James Mangold o melhor filme da franquia X-Men, um dos melhores filmes de heróis e talvez um dos melhores filmes do estúdio dos últimos tempos.

"LOGAN", escrito por  Michael Green, Scott Frank e pelo diretos James Mangold, tem muito pouco da Historia em Quadrinhos "Velho Logan", até mesmo porque, vários personagens dos Comics, como o Gavião Arqueiro e o Hulk, não poderiam ser usados pelo Estúdio por conta dos direitos dos personagens. Contudo, em nenhum momento isso faz falta, já que o longa desde o inicio, pega o espectador e o joga em meio a uma ótima trama, com incríveis personagens e com um roteiro eficiente, bem amarrado e emocionante.

James Mangold, que dirigiu o péssimo Wolverine Imortal, tem a chance de se redimir e faz isso com louvor, além de ter contribuído para a excelente roteiro, o diretor mostra todo seu talento, extraindo o melhor de seus atores (produzindo cenas emocionantes e diálogos memoráveis) e criando cenas de ação de tirar o fôlego (finalmente podemos ver o "Velho Canadence" lutando como deveria, selvagem, brutal e extremamente feroz).


Na trama que se passa em 2029, mostra um  Logan "quebrado", cansado e que já não tem um fator de cura tão eficiente quanto no passado, fazendo com que o abuso do álcool, a idade e o tempo, deixem marcas profundas no combalido Wolverine.

Devido a um desastroso incidente no condado de  Westchester, em Nova York, que levou a morte de vários civis e alguns mutantes, os X-Men não existem mais e cabe ao mais rebelde dos alunos de Xavier, cuidar do envelhecido Professor "X".


Trabalhando como motorista (pequena referência a "Velho Logan"), Wolverine tenta sobreviver aos novos tempos, contando com a ajuda de "Calibam"(vivido de forma impecável por Stephen Merchant) para cuidar de um doente Charles Xavier, que com mais de 90 anos, sofre de problemas comuns a homens desta idade. O grande problema é que o maior telepata da terra e um dos mutantes mais poderosos do universo Marvel, se transforma em uma verdadeira "bomba relógio", já que sua mente senil apresenta problemas como "Alzheimer" entre outros.

Em meio a esse cenário tenso e desgastado, somos apresentados a "X23", uma garotinha chamada Laura, que apresenta capacidades similares as de Logan e está sendo perseguida pelo Cyborg Donald Pierce (vivido por Boyd Holbrook), cabe então ao "velho" Logan e ao instável Professor "X", reviverem os tempos de glória dos X-Men's, fazendo o que eles sabem fazer melhor.

 As atuações são um dos principais pontos do longa, Hugh Jackman constrói sua melhor performance de Wolverine, conseguindo ser bruto, selvagem, mal humorado, beberrão, mas ao mesmo tempo mostrando sentimentos familiares, paternos e resquícios de sua honra de samurai. Se a academia de Hollywood, não fosse tão conservadora, poderíamos esperar uma indicação de melhor ator para Jackman, que está maravilhoso em todas as cenas e se despede do personagem, de forma única e verdadeira, deixando um sentimento de dever cumprido e consolidando sua perfeita encarnação do amado "Carcaju".

Patrick Stewart, mostra toda sua versatilidade, construindo um Xavier como nunca tínhamos visto, amargurado, melancólico, doente, mas que em vários momentos, nós dá nuances da versão clássica do tutor dos X-Men's, mais um injustiçado pela academia que também mereceria uma indicação de melhor ator coadjuvante, tamanha é sua entrega ao longa.

 Quando temos os dois pioneiros da franquia "X" em cena, presenciamos uma troca, que só se concretiza quando temos dois ótimos atores, que se conhecem mutuamente e estão muito confortáveis em seus papeis. O relacionamento de Logan e Xavier ao longo do filme, consegue transmitir a essência dos "X-Men's" de forma impecável e produzir diálogos maravilhosos, ora como Pai e filho, ora como Professor e aluno.

Mas, um dos espetáculos a parte, é a jovem atriz Dafne Keen, no papel de Laura/X23, a capacidade de atuação da pequena "notável" é impressionante, com apenas 11 anos de idade, Dafne constrói sua personagem de forma sólida, tendo como ferramentas apenas  sua ótima consciência corporal e suas marcantes  expressões faciais. Para ontem um filme solo com a personagem e certamente é o que a Fox tem em mente.



James Mangold, ainda dá um show nas cenas de ação, muito bem coreografadas, onde finalmente podemos constatar o estrago que garras de adamantium podem fazer em carne humana, produzindo cenas de total selvageria, tanto do velho Logan, quanto da explosiva X23.

 Um grande filme, que a exemplo de Vingadores, Cavaleiro das Trevas, Guardiões da Galáxia e Watchmen, elevam a brincadeira a outro patamar, entrando para o seleto grupo de excelentes filmes de "quadrinhos" e contribuindo de forma efetiva, para a valorização do gênero. 

Que venha a nova versão dos X-Men, pois a Fox deixou bem claro que aprendeu com seus erros e demonstra que iremos nos surpreender de forma positiva, com as próximas produções do estúdio.

Nota: 10 





Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :