sábado, 8 de julho de 2017





MARVEL produz um dos melhores filmes do “Aranha” contando a história de Peter Parker



Com a responsabilidade de entregar um dos melhores filmes do “Aracnídeo” (pois é a primeira vez que a casa das ideias tem a chance de ter o controle criativo de seu mais importante personagem) a Marvel conseguiu, inovando e modernizando, construir um dos melhores filmes do “Escalador de Paredes”. 

Por mais que em alguns momentos o estúdio faça algumas mudanças na mitologia do personagem, o resultado final apresenta um “Homem Aranha” muito mais próximo do “Amigão da Vizinhança” que estamos acostumados a amar ao longo de todos estes anos.


Com um roteiro muito bem escrito e amarrado, o diretor Jon Watts coloca o espectador dentro da aventura, mostrando fatos e pontuando situações antes de “Guerra Civil” (quando o personagem é introduzido no universo Marvel) e consequentemente depois, amarrando de forma clara e contundente,  toda esta “Teia” de acontecimentos.



Como nesta versão “Parker” tem apenas 15 anos, era óbvio que inúmeras  cenas do herói se passariam no colégio. O grande problema era se isso não funcionasse deixando o longa com ares de  High School Musical ou Crepúsculo, mas felizmente isso não acontece e as cenas cotidianas de “Peter” com seus costumeiros problemas, são impecáveis e extremamente divertidas, graças ao ótimo roteiro e ao time de “Jovens atores”.


Liderados pelo talentoso Tom Holland, o elenco da produção está afiadíssimo e graças a naturalidade das atuações, o filme funciona perfeitamente bem. Holland entrega um adolescente tão crível e carismático, que imediatamente nos apaixonamos por Parker e consequentemente, pelo Homem Aranha. Seja nas piadas, nas cenas de ação (onde podemos constatar as capacidades atléticas do ginasta/ator) ou nas cenas mais dramáticas, Tom Holland mostra que foi a escolha perfeita para o papel, tornando-se uma das melhores encarnações do herói.


Sua química com o elenco é maravilhosa, proporcionando ótimas cenas com todos os integrantes da produção. Deixando de lado o Peter “descolado” apresentado por “Garfield” e ficando mais próximo do “Parker” de "Maguire”. Nosso atual “Homem Aranha” é um “Nerd” para ninguém botar defeito, fã de “Star Wars”, nada popular e cheio de questionamentos.


Jacob Batalon que dá vida ao melhor amigo do “Aranha” Ned Leeds (que nos quadrinhos acaba virando o “Duende Macabro”) é um espetáculo a parte, suas cenas são bastante divertidas e rendem ótimos diálogos entre os dois.

Tony Revolori  que encarna Flash Tombson, foi mega criticado por fugir do estereótipo do valentão, forte, jogador de Futebol representado nos quadrinhos. Porém, sua atuação foi impecável entregando um “pelinha” extremamente chato (no bom sentido) que inferniza a vida do nosso herói e produz ótimas e divertidas cenas no filme.
 
Mas depois de Tom Holland quem  mais impressiona é Zendaya, a atriz que interpreta a maluquete “Michele” rouba todas as cenas em que aparece, demonstrando um incrível talento e um grande carisma. Praticamente são dela, as cenas mais divertidas do longa e ao final da produção, fica claro que ouviremos falar muito mais da personagem no próximos filmes do “Cabeça de Teia”.


Para aqueles que costumeiramente criticam os vilões dos filmes de herói, ficarão surpreendido com Michael Keaton (o eterno Batman) vivendo de  forma perfeita e ameaçadora o  vilão“Abutre”.
Keaton “elétrico”, constrói um vilão humano, verossímil e com ótimas motivações, dando um banho de interpretação e fazendo de seu personagem, um dos  melhores vilões da atualidade (os fãs mais antigos vão perceber que algumas cenas remetem as clássicas histórias do Aranha com o “Duende Verde”).


Marisa Tomei como a “Tia May” (sempre competente) acaba ficando um pouco de lado, o que é benéfico para a produção, que pode dar enfoque total a “Peter Parker”( lembra que dissemos que se trata de uma história dele?).


Apesar de vendo os trailers termos a sensação de que o Homem de Ferro seria um dos protagonistas ao lado do “Aranha”, isso não acontece. Suas aparições são pontuais, mas extremamente divertidas e engraçadas. Robert Downey Jr sempre consegue nos surpreender e em Homem Aranha: De volta ao Lar, não seria diferente. Seja fazendo as vezes de mentor, chefe ou amigo, Tony Stark é peça fundamental do roteiro, dando ao filme da Marvel/Sony, a legitimidade do universo compartilhado.


Quem também dá um  show é o diretor de “Homem de Ferro” 1 e 2, Jon Favreau vivendo o “motorista” e faz tudo do “Playboy/filantropo”, “Happy Hogan”. Favreau mega confortável em seu papel,  também aparece de forma pontual, criando  hilárias cenas ao lado do “Chefe” e do “aprendiz de herói”.


Um dos maiores méritos do filme é seu roteiro frenético que em nenhum momento deixa cair a peteca, ou estamos conhecendo mais dos personagens, ou  sendo bombardeados por ótimas piadas, ou ficamos de olhos grudados na tela, diante de empolgantes cenas de ação e incríveis reviravoltas.


Alguns fãs mais xiitas podem não gostar da falta do costumeiro “sentido de Aranha”, mas em detrimento ao roteiro, o diretor acertadamente deixou de fora um dos clássicos poderes do aracnídeo, que infelizmente se fosse colocado no longa, causaria inúmeros furos na história.


Até o exacerbado uso de tecnologia empregado pelo personagem (diferente das HQ's onde ele faz uso de menos equipamentos) em nada atrapalha a produção, muito pelo contrário, uma vez que nesta versão, o “Aranha” conta com a tutela de Tony Stark.


Para completar o espetáculo, diversos “easter eggs” e referências a fase clássica do personagem, que farão os fãs mais antigos “saltar” da poltrona. Além disso, ao final da produção, somos apresentados a uma referência a HQ “Guerra Civil” (maravilhosa por sinal) e a duas ótimas cenas pós-créditos (a última, uma das melhores já produzidas pela Marvel).



Divertido, emocionante e diferente, “Homem Aranha: De volta ao lar” consegue ser o que “Guardiões das Galáxias 2” não conseguiu. Funcionar para a criançada, empolgar o público adolescente e ser um presente para os fãs da velha guarda do herói.

O "Amigão da Vizinhança" está de volta...

Totalmente "espetacular".


Grande acerto da Marvel/Sony e um dos melhores filmes do ano.



Nota: 10

Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :