sábado, 30 de setembro de 2017



Saudações a todos...

Sim, demorou para falar da nova série "Star Trek Discovery", mas foi por um bom motivo - tive que assistí-la mais de uma vez para absorver todas as novidades apresentadas. E quanto mais via, mais ficava deslumbrado a assistir mais.

Mas vamos agora sair da dobra da ansiedade e analisar estes dois primeiros episódios, e bem como comentar o programa "AfterTrek", exibido depois do segundo episódio, que nos trouxe outras notícias interessantes... Mas esse, em uma próxima postagem.









Bem, comecemos pela análise dos episódios!

O chamado


Primeiramente, a primeira cena do primeiro episódio, de maneira impactante, já dizia o que viria para nós....





É, amigos, alguém ama a Federação de paixão... Ironias a parte, essa figura de nome complicado, T'Kuvma, intitulado o enviado de Kahless, o Inesquecível, o primeiro Klingon a unificar as 24 casas guerreiras e formar o Império Klingon, pretende repetir o feito, e unificar essas mesmas casas novamente, com um objetivo como motivação para todos - o fim da Federação!!! E ele tem um plano... Que será explicado em breve...

Apresentando Michael Burnham, capitã Philippa Georgiou e a USS Shenzhou


A cena seguinte mostra um mundo árido, onde a capitã Georgiou e sua imediata Michael estão tentando abrir uma fonte de água, para salvar a espécie do planeta, antes que morram. Detalhe, tentam fazer isso sem violar a Primeira Diretriz da Frota - não interação com a raça nativa... Nada como manter os regulamentos, né, gente?!

Após a missão, elas não conseguem entrar em contato com a nave, e a comandante resolve fazer uma "estrela" para sinalizar para a Shenzhou...




Ironias a mil.

Dentro da nave, o terceiro oficial mais qualificado, de ciências, é Saru, um alien da espécie Kelpien, onde seu excesso de zelo e preocupação beiram a covardia, mas há um motivo: no planeta deles, há uma relação binaria por falta de predadores - ou eles são a caça ou são os caçados... Daí o zelo. Pensando bem, tá certo... Rsrsrs. Observação: Depois dos principais, é oficialmente meu favorito.

Armadilha no sistema binário


Atraídos por danos em uma estação da Frota, a USS Shenzhou vai investigar e reparar o equipamento, quando deparam-se com um construto estranho. A comandante Michael vai investigar, e depara-se com um Klingon, matando-o em legítima defesa. Na verdade, o construto é uma espécie de farol para sinalizar a todos os Klingons a chama de convocação de Kahless, e T'Kuvma fez a convocação para demonstrar a ameaça aos membros do Alto Conselho Klingon, composto por 24 casa. O próprio clã de T'Kuvma não é bem visto entre os outros klingons, pelo fato de adotar em seus efetivos membros da raça com defeitos genéticos de cor, albinos, o que tornam sub-raça para os klingons puro-sangue - essa, talvez, seja a coisa mais interessante em relação aos klingons dessa série... Mostrar que aceitação entre diferentes também será tratada nessa série.

Bem, no final, em meio a conflitos da Comandante Burnham com o seu passado, quando Klingons atacaram uma colonia onda havia um centro de aprendizado Vulcano, e onde sua família morreu e ela foi um dos sobreviventes, salva por Sarek, o pai de Spock, e se tornou seu mentor, sendo a unica humana a estudar nas academias Vulcanas e alcançar formação completa e, por orientação de Sarek, retornou ao convívio dos humanos na nave da capitã Georgiou, entre a lógica de suas ações, e suas emoções, queria atacar a nave inimiga, propondo usar a mesma tática que os Vulcanos usaram contra eles - atacar antes de ser atacados, o chamado "Olá Vulcano". Claro que a capitã não concordou, e ela foi derrubada por um toque Vulcano - o golpe do Spock, e tentou atacar a nave, porem foi impedida pela capitã (já viu, só Vulcanos dão este golpe, rsrsrs.), e a prendeu, na mesma hora que a frota klingon chegou, respondendo ao chamado de T'Kuvma...

A armadilha estava pronta, faltando apenas a chegada das naves da Federação...



Massacre, e uma revelação sobre o elo mental vulcano


Com a chegada da frota, o cenário imaginado por T'Kuvma, agora intitulado O Inesquecível, estava completo!!!





E assim começou o massacre, enquanto Burnham estava presa.

Nesse momento, em meio ao seu desespero, Sarek conectou-se mentalmente a ela, e explicou que isso era só possível por ter ele compartilhado seu Katra (alma, talvez, ou sua essência vital) com ela, quando a recuperava do ataque klingon quando criança. Porém causava-lhe problemas físicos e por isso a usou como ultimo recurso. Ele a incentivou a sair da cela e ajudar sua tripulação.




Enquanto isso, a nave do almirante é destruída por uma manobra de uma das naves camufladas klingons, e o que sobrou da frota foi reduzida a cinzas, ou muito debilitada para lutar. Posteriormente, os Klingons retornaram ao seu mundo natal para divulgar e proclamar a ofensiva contra a Federação.

Após sua fuga da cela, Michael, Saru e Philippa armam um plano para destruir a nave e capturar T'Kuvma...

Triunfo, tormento e punição


Após a incapacitação da nave capitânia Klingon, Michael e Philippa a invadem, para capturar T'Kuvma. Infelizmente, não dá certo, e a capitã é morta pelo Klingon, e ele sendo mesmo ferido mortalmente por Michael, que foi retirada da nave por Saru sem poder resgatar o corpo de Philippa.

No final, Voq, o Portador da Chama e um dos párias do clã de T'Kuvma, parece que irá assumir o legado dele.

A Shenzhou é abandonada, e a comandante Burnham sofre julgamento de corte marcial, condenada a prisão perpétua.



E como todo bom livro... Fim do prólogo!!!

E que a Discovery apareça mais, e não só na magnífica abertura!!!


Ah, um gostinho do que virá...


E vida Longa e Próspera a esta série, que já chegou causando!!!


Gostou? Curta nossa fanpage!

0 comentários :